5 coisas que atrapalham o crescimento da sua empresa

Montar um negócio não é nada fácil, pois demanda tempo, trabalho e investimento. Mas o pior é ver seu empreendimento ficar estagnado devido a erros que poderiam ser evitados, não acha? Pensando nisso, preparamos uma lista com os 5 descuidos mais comuns dos empresários.

Quer descobrir o que está atrapalhando o crescimento da empresa? Continue a leitura!

1. Processos lentos

Como estão organizados os processos em sua empresa? Há fluidez e interação entre os departamentos? Ou os procedimentos costumam ser lentos e burocráticos? A falta de comunicação entre os setores de um negócio e os erros causados pela ausência de padronização nos processos gerenciais levam a um atraso no crescimento da instituição.

Por isso, é preciso focar na logística do empreendimento e usar a tecnologia a seu favor. Existem, por exemplo, sistemas de gestão e softwares que podem facilitar a união entre as áreas da empresa e otimizar seus processos.

2. Falta de controle financeiro

Uma gestão contábil desorganizada é fatal para qualquer negócio. Sem perceber quais são seus gastos e retornos financeiros, o empresário não tem como crescer. Com a melhora da gestão financeira, é possível entender para onde o dinheiro está indo e até cortar custos se perceber pontos de despesas desnecessárias.

Para isso, organize o fluxo de caixa. Seja com planilhas ou ferramentas de gestão, não deixe de entender a movimentação das finanças. A consultoria de um escritório de contabilidade também pode ser fundamental para garantir que a empresa reduza custos e avance em direção ao sucesso.

3. Ausência de plano de negócio

Até onde você quer chegar? Com certeza, ao abrir seu empreendimento, você tinha um objetivo, seja financeiro ou de realização pessoal. E entender suas metas é o primeiro passo para fazer com que o negócio se desenvolva.

Dessa forma, não se esqueça do plano de negócio. Descreva o que é sua empresa e o que você pretende com ela. Em seguida, trace metas efetivas e realistas. Lembre-se de recolher dados sobre o mercado, os clientes e os fornecedores. Além disso, defina estratégias para alcançar as etapas estabelecidas.

O plano de negócio é uma ferramenta de apoio que deve estar sempre disponível para consulta. Não deixe de verificar se os objetivos traçados estão sendo conquistados e revisar as ações da companhia em relação a eles. Assim, você não perde de vista a missão e o foco no crescimento de seu empreendimento.

4. Pouco investimento em capacitação

Conhecer o mercado e sua área de atuação é primordial para um bom gestor. As mudanças são constantes em qualquer ramo: a cada dia, novos serviços ou produtos aparecem e, com isso, a concorrência se acirra. Portanto, mantenha uma atualização constante de seus conhecimentos.

Faça cursos, especializações ou pós-graduações e leia artigos sobre o tema. Estude! Além disso, invista em capacitação também para seus funcionários. Cursos profissionalizantes e treinamentos podem agilizar o funcionamento da empresa e melhorar a prestação de serviços.

5. Desmotivação dos colaboradores

Sem a dedicação da equipe, um empreendimento raramente vai conseguir avançar. E, com a falta de motivação, o ritmo dos colaboradores diminui e a produtividade cai drasticamente. Portanto, não se esqueça de que seu negócio também envolve pessoas.

Descubra formas de motivar os funcionários, seja com bonificações ou ações integradoras, que façam com que as pessoas se sintam como parte do negócio. Encoraje o espírito de equipe e reconheça o trabalho de cada um, criando um ambiente saudável e profissional.

Gostou de saber mais sobre aquilo que atrapalha o crescimento da empresa? Então, descubra também como a contabilidade trabalhista pode ajudar seu negócio!

Entenda como a contabilidade pode aumentar a rentabilidade da clínica

A rotina organizacional costuma ser intensa. No caso das clínicas, que precisam dar atenção aos clientes e gerenciar toda a equipe de médicos e atendentes, às vezes é difícil acompanhar a parte administrativa e contábil. Devido à correria, a rentabilidade da clínica pode ser fortemente afetada, assim como sua sustentabilidade.

Um apoio específico para as questões burocráticas é uma ferramenta importante para virar esse jogo. Neste artigo, você verá uma série de vantagens que sua clínica pode obter ao apostar em um serviço especializado de contabilidade. Confira!

Planejamento financeiro eficiente

A gestão das finanças é um ponto-chave para que uma organização tenha sucesso. No entanto, conciliar esse trabalho com a gestão de outras áreas é complicado, certo? O apoio técnico de especialistas da área proporcionará uma análise muito mais precisa de toda a base de gastos e receitas.

É essencial ter o controle detalhado das despesas fixas e variáveis a fim de perceber onde ocorre o desperdício de recursos. Além disso, o acompanhamento do fluxo de caixa é um elemento indispensável, garantindo maior previsibilidade e reduzindo riscos. A rentabilidade da clínica tende a aumentar, permitindo até investimentos para expansão do negócio.

Gestão tributária inteligente

Você sabia que é possível adotar estratégias capazes de reduzir o impacto da carga tributária sobre o orçamento da sua clínica? Uma avaliação profunda da realidade do seu negócio e o acompanhamento constante de relatórios e balanços financeiros asseguram um excelente retorno.

Muitas vezes, alterar determinadas rotinas já ajuda a implementar ações que geram benefícios fiscais e isenções. Evidentemente, essa tarefa deve ser realizada de maneira segura por profissionais que ajudem a encontrar a melhor forma de tributação para sua clínica. Qualquer erro poderá acarretar multas pesadas ou processos por fraude e sonegação fiscal.

Menos problemas com a legislação trabalhista

Calcular salários, horas extras, férias, 13o salário e demais obrigações pode tornar-se um pesadelo. A reforma trabalhista promoveu uma série de mudanças, contudo, um serviço de contabilidade bem-feito colabora com o cumprimento dos requisitos determinados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O serviço de contabilidade também poderá auxiliá-lo com o envio das guias e relatórios exigidos pela Previdência Social. Assim, diversos transtornos serão evitados e o risco de ações trabalhistas será reduzido.

Economia de tempo

Quando o trabalho burocrático é concentrado nas mãos de especialistas, sobra muito mais tempo para outras atividades da clínica. A certeza de que o planejamento financeiro e contábil está sendo executado com segurança evita que o gestor fique sobrecarregado e garante um clima organizacional mais agradável.

Melhoria no atendimento

Todas as vantagens citadas permitem que sua clínica mantenha o foco naquilo que é mais importante: atender bem os clientes. Um dos grandes desafios do setor de saúde é a humanização do atendimento. Isso torna-se possível quando os médicos podem passar mais tempo com os pacientes e prestar um serviço de qualidade superior.

E aí, está pensando em implantar um serviço especializado de contabilidade para sua empresa? Entre em contato com a Executa Contabilidade, que fornece todo o apoio contábil, fiscal/tributário, jurídico e pessoal. Vamos ajudá-lo a encontrar a melhor alternativa para aumentar a rentabilidade da clínica.

Além disso, o nosso escritório está disponibilizando gratuitamente um Ebook específico para organizar e estruturar a gestão financeira de clínicas médicas, afinal de contas, toda empresa para prosperar precisa ter uma boa administração financeira. Para receber, basta clicar no banner abaixo! Boa leitura!

e-book clínicas médicas

Reforma trabalhista: 5 principais mudanças na legislação

Neste mês de novembro de 2017, entram em vigor as cláusulas da Reforma Trabalhista, que tem o objetivo maior de tornar as regras relativas aos contratos de trabalho mais flexíveis. Um dos pontos altos é que as negociações diretas envolvendo empresas, sindicatos e empregados passam a ter valor legal.

Continue com a leitura do post de hoje, já que o assunto aqui tratado é de interesse geral, principalmente no atual cenário de crises políticas e econômicas que nosso país está vivenciando.

Então, vamos em frente! Todos nós precisamos ficar bem informados quanto a essas novidades que podem mudar bastante a oferta e procura de empregos no Brasil. Confira!

A importância da reforma trabalhista

Como dissemos, são várias mudanças nas regras que governam o mercado de trabalho, em benefício tanto dos empregadores quanto dos empregados. Mas o assunto não está livre de polêmicas, pois encontramos defensores e críticos das medidas aprovadas pelo Congresso Nacional.

De toda forma, a contabilidade relativa às obrigações trabalhistas pode sofrer interferência dessas mudanças, e é preciso se manter em dia sobre o assunto.

Os pontos importantes da reforma trabalhista

A seguir, você poderá acompanhar 05 dessas medidas, lembrando que as reformas chegam a alterar por volta de 100 pontos da atual legislação trabalhista, reunidas na Consolidação das leis do Trabalho (CLT).

1. Férias

As férias anuais de 30 dias podem ser divididas em até 03 períodos, desde que um deles não seja inferior a 14 dias. Além disso, o início de um período não pode ocorrer dentro de dois dias anteriores a um feriado ou final de semana, para não prejudicar o trabalhador. As condições devem ser negociadas entre as partes interessadas — empresa e funcionário.

2. Contribuição sindical

Até então, a contribuição sindical tem sido obrigatória, correspondendo a um dia do salário do empregado. Com a reforma, ela passa a ser facultativa, e o desconto somente acontece se o próprio funcionário autorizar.

Esse é um ponto que certamente abre espaço para muitas polêmicas, por causa do interesse financeiro de muitos sindicatos, já que boa parte deles pode deixar de existir com o corte do benefício.

3. Demissão decorrente de acordo

Patrão e empregado podem dialogar em livre negociação, para acordar qualquer rescisão de contrato. A demissão por acordo é considerada sem justa causa, e o funcionário tem os seguintes benefícios:

  • remuneração correspondente a 20% do saldo do FGTS;
  • possibilidade de saque de até 80% do FGTS depositado em sua conta;
  • aviso prévio, por parte da empresa, com antecedência mínima de 15 dias.

Além disso, é preciso lembrar que o empregado não tem direito ao seguro-desemprego na rescisão por acordo.

4. Regulamentação do home office

Por meio de acordo assinado entre os interessados, o trabalhador pode realizar suas atividades em casa, sem necessidade de se deslocar para o local onde se situa a firma.

É evidente que essa possibilidade está associada ao uso da tecnologia de informação e comunicação. Além disso, o empregador deve arcar com as responsabilidades relacionadas à saúde e segurança.

5. Jornada parcial

A jornada parcial é uma verdadeira flexibilização do horário a ser cumprido pelo empregado. Agora, ele pode optar — em comum acordo com o empregador — por uma jornada de 30 horas semanais, sem direito a hora extra.

Por outro lado, passa a ter a possibilidade executar suas atividades dentro de 26 horas semanais, aí sim com possibilidade de horas extras com acréscimo de 50% em relação ao valor normal da hora trabalhada.

Perceba que as inovações produzidas pela reforma exigem uma nova postura dos empregadores, tanto nas contratações como nas demissões. Por consequência, o setor de pessoal deve precisar, mais do que nunca, se manter atualizado, para orientar o empreendimento e seus colaboradores.

Acreditamos que você conseguiu perceber o significado da reforma trabalhista, não é verdade? Siga nossa fanpage no Facebook e fique por dentro de nossas próximas publicações!

Veja quais são os indicadores financeiros que você precisa analisar

Os indicadores financeiros são verdadeiras ferramentas que auxiliam na gestão de um empreendimento, fornecendo dados e tendências sobre diversos aspectos relacionados às suas operações e aos resultados (liquidez, rentabilidade, lucratividade, endividamento, dentre vários outros). Aprender a calcular e interpretar tais índices será de grande valia na administração de sua empresa.

Então, não fique parado! Continue com a leitura deste post e comece já a desenvolver as habilidades necessárias ao gerenciamento financeiro e econômico do patrimônio de sua firma. Sigamos em frente!

Como utilizar os indicadores financeiros

Calcular índices é uma coisa bem fácil. Basta ter em mãos os demonstrativos necessários (Balanço Patrimonial, Demonstrativo de Resultados do Exercício, Demonstrativo de Fluxo de Caixa etc.) e efetuar algumas operações sobre grupos de contas (sobretudo a divisão). Porém, interessa entender seus significados e captar o que eles têm a informar. Essas informações servirão de base para a gestão de seus negócios.

Saiba que os índices são reunidos em grupos. Por exemplo, existe o grupo Índices de Liquidez, no qual encontraremos a liquidez corrente, seca, imediata e geral, cada qual com seu significado. Então, nenhum índice pode ser visto isoladamente, mas deve ser comparado dentro de seu grupo e em relação a índices de outros grupos.

Os indicadores serão mais proveitosos quando confrontados com aqueles apurados por empresas de mesmo ramo de atividade, o que será útil para verificar a posição de sua firma em relação a seus concorrentes. Acompanhe abaixo 4 importantes índices financeiros.

Índice de Liquidez corrente

Os índices de liquidez dizem respeito à capacidade de a empresa de pagar seus compromissos junto aos seus credores. No caso da liquidez corrente, verifica-se quanto a empresa dispõe de ativos — disponíveis ou que serão convertidos em dinheiro num curto prazo (12 meses) — para liquidar suas dívidas exigíveis em igual período.

Índice de Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante

Grupo: Índices de Liquidez

Margem de Lucro Líquido

Também conhecido como Margem de Lucro sobre as Vendas, esse índice permite verificar quanto do faturamento da empresa se transformou em lucro líquido (um empreendimento pode ter um altíssimo faturamento anual e, ao mesmo tempo, apenas uma pequena margem de lucro sobre suas vendas).

Margem de Lucro Líquido = Lucro Líquido / Receita de Vendas

Grupo: Índices de Lucratividade e Rentabilidade

Índice de Endividamento

Relaciona, de um lado, as obrigações da empresa (Passivo Exigível) e, de outro, seus bens e direitos (Ativo), evidenciando quanto do patrimônio está comprometido com recursos alheios exigíveis (ou seja, que terão que ser liquidados ou pagos). Quanto maior o quociente, maior o grau de endividamento da firma.

Índice de Endividamento = Total de Passivos (exigíveis) / Total de Ativos

Grupo: Índices de Gestão de Dívida

Índice de Giro de Estoque

Esse indicador mostra a intensidade na renovação de determinado item do estoque de produtos ou mercadorias para venda. Por exemplo: um índice igual a 4 informa que o item foi vendido e reposto no estoque quatro vezes durante o período considerado.

Índice de Giro de Estoque = Receita / Estoques

Grupo: Índices de Gestão de Ativos

Em sua análise, deve-se considerar o ramo de negócio e o tipo de produto comercializado. Para uma pequena revendedora de veículos, um índice igual a 5 no giro trimestral de estoque pode ser algo que mereça uma bela comemoração, pois estamos falando que cinco automóveis de determinada marca/ano foram vendidos e repostos num período de três meses.

Porém, num comércio varejista (digamos, um supermercado), um resultado dessa natureza poderá ser uma advertência de que algo não está funcionando bem. Imagine que apenas cinco caixas de uma famosa marca de sabão em pó foram vendidas e renovadas num espaço de três meses. Isso pode ser ruim, ou mesmo não dizer nada sem outros dados, mas, certamente, chamará bastante a atenção dos responsáveis pelo setor de vendas, não é mesmo?

Perceba: o assunto parece complicado, mas bastou entender as ideias básicas ao seu redor para que ele se torne muito simples. E agora que você já tem uma noção mínima sobre os indicadores financeiros, não pare por aqui, pois isso é só o começo. Deixe seu comentário abaixo e participe das discussões sobre o tema. Até o próximo artigo!

Fluxo de caixa para clínica médica: como fazer?

Toda empresa precisa controlar suas finanças para poder sobreviver — o que não é diferente quando se trata de profissionais da área de medicina que decidem abrir um negócio para prestar seus serviços. Portanto, saber como fazer um fluxo de caixa para clínica médica é fundamental para garantir o sucesso desse empreendimento.

Se você está precisando de dicas nessa área, então não deixe de continuar a leitura deste post, pois certamente você obterá informações valiosas para a administração de seus negócios. Acompanhe e confira!

O que é um fluxo de caixa?

Trata-se de um controle de todas as entradas e as saídas de numerários em sua empresa. Você deve realizar esse procedimento diariamente e com o máximo de rigor possível! Por isso, não pode nenhuma transação sem registro, seja um alto valor obtido com uma complexa cirurgia, seja uma saída mais modesta, como um gasto com combustível para abastecer o veículo da clínica.

O fluxo de caixa permite que você acompanhe a situação financeira de seu empreendimento, de modo a verificar se está trabalhando com folga, podendo honrar com tranquilidade seus compromissos junto a seus credores. O oposto também é possível: o negócio não está sendo bem administrado e corre o risco de paralisar suas operações por falta de disponibilidades (dinheiro em caixa e contas bancárias).

Um aspecto importantíssimo na elaboração desse instrumento de gestão é não confundir as despesas da firma com os gastos e recursos pessoais (dos sócios, funcionários etc.). Sem essa separação, seus registros serão irreais, e você não poderá examinar os resultados efetivos de seu negócio.

Qual é a estrutura de um fluxo de caixa?

No movimento diário de numerários em sua clínica, primeiramente classifique os valores em dois grupos — receitas e despesas —, do seguinte modo:

  • receitas: são os ganhos decorrentes de suas operações principais, como os serviços prestados aos seus clientes e os valores recebidos de convênios médicos;
  • despesas: são todos os gastos necessários para a obtenção de suas receitas, como o aluguel do imóvel onde se situa a clínica, materiais e instrumentos cirúrgicos, salários dos funcionários, impostos etc.

O segundo passo é classificar as despesas em fixas e variáveis. Veja como é fácil:

  • despesas fixas: são aquelas que não se alteram em relação ao volume de suas atividades (por exemplo, tanto faz você atender 10 ou 50 clientes num determinado mês, o valor do aluguel será o mesmo);
  • despesas variáveis: são aquelas que variam conforme a intensidade de suas atividades operacionais (por exemplo, quanto mais operações cirúrgicas você realizar, maiores serão seus gastos com luvas e outros materiais).

A utilidade dessa última classificação é permitir o controle dos gastos que independem de seus serviços prestados. Um nível muito alto de despesas fixas pode comprometer sua lucratividade, principalmente nos momentos de queda de receitas.

Do confronto entre suas receitas e despesas, você apurará o lucro da firma num determinado período. Mas se lembre de que nem todo gasto representa uma despesa imediata, como a aquisição de equipamentos, veículos e móveis — os quais podem ser classificados como ativo imobilizado. Nesses casos, você pode apropriar uma quota (percentagem do valor do bem) mensal ou anualmente a título de depreciação (que é o reconhecimento das despesas referentes a essa categoria de bens).

Como elaborar um fluxo de caixa para clínica médica

Trabalhe com uma planilha (ou com um software específico para essa função), na qual você registrará cada operação, indicando a data, um breve histórico, o lançamento do valor no campo adequado e a correspondente classificação. Feito isso, o próprio programa se encarregará de apurar os saldos, emitir relatórios etc.

Portanto, cuide não só das movimentações atuais, como também das futuras, elaborando projeções de fluxos de caixa, com as entradas e saídas de recursos mais previsíveis. Isso permitirá visualizar a tendência de sua situação financeira.

Agora, se você continua interessado em saber mais como organizar ou elaborar uma área financeira na sua clínica médica, baixe o nosso Ebook específico do tema, totalmente gratuito! Basta clicar no banner abaixo e aproveitar a leitura. Além disso, visite nossa página no Facebook e fique ainda mais bem informado sobre esse assunto e vários outros pertinentes ao seu campo de ocupação profissional. Até breve!

e-book clínicas médicas

Como a gestão contábil desorganizada pode afetar minha empresa?

Não é possível uma empresa se manter no mercado — e ainda mais tomar a dianteira em relação a seus concorrentes — se ela não for bem administrada, e uma gestão contábil desorganizada é claro indício de falta de orientação administrativa. Esse quadro pode, inclusive, levar os empreendimentos mais promissores à falência.

Então, se você é responsável pela direção de alguma companhia (seja sua própria ou de terceiros), fique atento em relação a esse assunto, pois uma contabilidade séria e organizadamente efetuada é um fator que contribui para o êxito de um negócio, como indicaremos a seguir. Acompanhe e confira! 

Importância da gestão contábil

Todo empreendimento necessita manter seus registros e relatórios contábeis em dia e corretamente, pois eles fornecem elementos valiosos aos diretores e administradores, visando à tomada de decisões mais diversas, como a expansão ou a contenção dos negócios, medidas para o aumento de lucros ou redução de custos, contratações e empréstimos etc.

Além disso, o descuido para com o adequado gerenciamento do sistema de contabilidade pode trazer sérios problemas administrativos, fiscais e mesmo operacionais à empresa, como você verá adiante.

Problemas decorrentes de uma gestão contábil desorganizada

Vamos, então, apontar alguns dos inconvenientes que certamente resultarão de um descontrole da contabilidade empresarial — uns mais graves, outros menos  e que podem afetar a administração da organização, suas finanças, oportunidades de crescimento e mesmo sua imagem frente a sua clientela.

Descontrole da documentação

Um bom sistema contábil provê um controle e uma organização de documentos de forma racional, permitindo rápida localização e consulta. Já a ausência desse arquivo documental poderá gerar prejuízos financeiros e dores de cabeça, ao possibilitar pagamentos de contas e dívidas em atraso ou em duplicidade, multas pelo não atendimento de obrigações fiscais e trabalhistas, dentre outros.

Esse descontrole também poderá refletir em sua credibilidade junto a seus clientes, por exemplo, pelo faturamento dos serviços prestados para mais ou para menos, pela demora no atendimento a uma solicitação de orçamentos, e por aí em diante. E um cliente insatisfeito, ou que lance dúvidas sobre a competência da empresa, representa uma potencial perda de receitas.

Falta de informações e transparência

Se você não sabe a estrutura de gastos de seu empreendimento (despesas fixas e variáveis), dificilmente estará apto a apurar seus resultados com precisão (lucros ou prejuízos), o que pode inviabilizar decisões, como até onde investir na manutenção ou ampliação de suas atividades, por ignorar os riscos em jogo, já que sequer conhece o retorno ou a lucratividade das operações realizadas.

O mesmo se pode dizer quanto ao cumprimento de seus deveres para com o Fisco e outros órgãos públicos, pois, sem informações pertinentes, não poderá precisar se está, de fato, pagando seus tributos corretamente e dentro do prazo, se há declarações não entregues etc., sujeitando-se a penalidades, multas e fiscalizações.

Desconhecimento sobre sua lucratividade

Os recursos que ingressam na empresa não representam necessariamente lucros, os quais só podem ser apurados a partir do confronto entre receitas e despesas. Sendo assim, se você não mantém uma contabilidade organizada, como saber o que distribuir aos sócios sem comprometer o bom andamento das operações? Não poderá ocorrer a distribuição de lucros quando a firma estiver operando com prejuízos.

Percebeu como uma gestão contábil desorganizada representa um alto risco para uma empresa? E se você tem problemas nessa área e precisa contar com competentes profissionais de contabilidade, venha conhecer a Executa Contabilidade, pois certamente temos a solução adequada para suas dificuldades. Será um prazer atendê-lo!

Qual é a melhor forma de tributação para clínicas?

Quando um profissional decide abrir uma clínica médica, tão importante quanto as questões técnicas de seu domínio são os assuntos ditos “burocráticos”. Dentre eles, existe a escolha do melhor regime de tributação para clínicas, o qual poderá ser decisivo no êxito ou fracasso do empreendimento.

Se você está interessado nesse tema, continue com a leitura deste artigo, pois aqui trataremos de diversas modalidades de tributação disponíveis, bem como outros assuntos relacionados, como a necessidade de se consultar um contador no momento de decidir pelo melhor regime tributário!

Clínica médica: trabalho autônomo

Você — como um profissional que pretende abrir uma clínica — poderá optar por tributar seus rendimentos na pessoa física (trabalho autônomo) ou, diversamente, abrir uma pessoa jurídica (empresa) para a condução de seu empreendimento.

Caso você opte pelo trabalho autônomo, será então fundamental dedicar-se ao registro do Livro Caixa, mediante o qual será possível lançar todos os seus rendimentos tributáveis, bem como suas despesas dedutíveis, e a tributação se fará pelo IRPF — Imposto de Renda Pessoa Física.

Clínica médica: empresa

Caso você venha a abrir uma empresa (pessoa jurídica) para o desenvolvimento de suas atividades profissionais, você irá se deparar com algumas alternativas de tributação: o Lucro Real, o Lucro Presumido e o Simples Nacional, cada qual com suas peculiaridades, como veremos a seguir.

Lucro Real

A tributação pelo Lucro Real exige um sistema de contabilidade capaz de registrar todas as receitas e despesas da empresa e apurar o Lucro Líquido (base de cálculo de tributos devidos: IRPJ e CSLL), mediante o confronto entre as receitas tributáveis e as despesas dedutíveis, ajustadas por adições e exclusões determinadas em lei.

Lucro Presumido

Essa modalidade parte do pressuposto de que a empresa obtém certa margem de lucro sobre seu faturamento bruto (daí o termo “presumido”). Então, será aplicado um determinado percentual sobre esse faturamento, apurando-se assim a base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

Simples Nacional

Trata-se de uma modalidade diferenciada de tributação — voltada para microempresas e empresas de pequeno porte — em que se aplica determinado percentual sobre o faturamento bruto, do qual resultará um valor que representará a unificação de vários tributos, tanto federais, como estaduais e municipais.

A melhor forma de tributação para clínicas

Mas enfim, qual a melhor modalidade de tributação para sua clínica? A resposta só poderá ser obtida após a consideração de diversos fatores, tais como a estimativa de faturamento, o número de funcionários, porte da empresa, dentre outros.

Outro aspecto importante é a consideração do ISS (Imposto Sobre Serviços), cuja alíquota varia de município para município, podendo ir de 2% a 5% do valor do serviço.

Por essas e outras razões é que se torna necessário poder contar com profissionais especializados na área contábil e tributária, pois eles poderão realizar diversas estimativas e hipóteses, de modo a permitir que você faça a melhor decisão quanto à forma de tributação dos lucros de seu empreendimento.

A questão da tributação para clínicas é um tema bastante complexo e que exige uma assessoria profissional. Mas não desanime, pois estamos aqui para ajudá-lo, trazendo informações de forma clara e objetiva. Então, está esperando o quê? Curta nossa página no Facebook e receba em seu feed mais conteúdos como este!

Além disso, no que tange a questão financeira da clínica, é sempre fundamental ter uma gestão organizada e estruturada, e para ajudar isso a acontecer, a Executa Contabilidade disponibiliza gratuitamente o Ebook “Gestão financeira para clínicas médicas“! Basta clicar no banner abaixo para receber!

e-book clínicas médicas

5 dicas para melhorar a gestão financeira da sua clínica médica

Para manter uma clínica médica em pleno funcionamento, a gestão precisa ser feita de maneira objetiva e bem controlada. Do contrário, acaba-se perdendo muito tempo com assuntos administrativos.

Como a gestão financeira é um tema que demanda muito da atenção quando o assunto é administrar, o melhor a fazer é encontrar formas de tornar todos os processos otimizados.

Se você busca algumas dessas boas práticas de mercado para conseguir resolver esse tipo de questão, separamos uma lista de atitudes que você deve seguir. Continue a leitura e confira!

1. Registrar todas as operações financeiras

Para que se tenha a empresa na palma da mão, é necessário que os controles financeiros estejam bem alimentos e sempre atualizados.

Isso implica, necessariamente, em ter o cuidado de fazer os lançamentos de todas as entradas e saídas. Assim, você não perde de vista o que está acontecendo e nem fica vulnerável a surpresas pelo caminho.

2. Ficar atento ao fluxo de caixa

O fluxo de caixa é uma ótima ferramenta de gestão financeira. Ele consegue mostrar como anda o nível de pagamentos e recebimentos em tempo real.

Por meio dele é possível enxergar o “fôlego” que a clínica tem e como anda o ritmo do fluxo financeiro: se as entradas estão chegando de acordo com a programação e se os seus pagamentos estão ficando atrasados ou não.

3. Estimar gastos e lucros futuros

Além de um controle bem-feito, a gestão financeira exige que o administrador consiga fazer estimativas do futuro da clínica. Essas previsões devem enfocar, principalmente, os gastos que deverão ser honrados e os lucros projetados.

Sem fazer essas contas, a gestão da clínica fica muito vulnerável e sem poder planejar ações mais estratégicas, como investimentos em comunicação ou mesmo em infraestrutura.

4. Contratar uma boa empresa de contabilidade

Todo negócio precisa estar muito bem assessorado quanto à sua contabilidade. Isso porque existem responsabilidades com relação ao recolhimento e pagamento de impostos, mas também aquilo que chamamos de obrigações assessórias.

Esse tipo de obrigação pode dar muita dor de cabeça e até implicar em maiores problemas para o gestor da clínica se não for acompanhado de forma adequada. Então, para que seja possível encontrar as melhores soluções contábeis, vale muito a pena contar com uma boa parceira especialista no ramo.

5. Fazer um fundo de reserva

A melhor hora para preparar a clínica para momentos mais delicados é quando as coisas vão bem. Sendo assim, tanto para ter mais segurança frente a imprevistos como para reforçar o caixa antes de reformas ou compra de equipamentos mais caros, o fundo de reserva é sempre uma boa ideia.

Para criá-lo é preciso estabelecer um percentual que será acumulado por um período de tempo maior. Assim, sem pesar muito na rotina da clínica, pode-se acumular capital de maneira tranquila e segura.

Seguindo essas dicas, a sua clínica médica terá um nível de gestão financeira muito mais profissional e poderá garantir dias mais sossegados para que tanto gestor como também os funcionários possam se dedicar melhor aos pacientes e ao dia a dia do negócio.

Se você quer ficar atualizado e conhecer mais outras boas práticas de mercado para aplicar em sua clínica, baixe o nosso Ebook sobre gestão financeira para clínicas médicas!

e-book clínicas médicas

5 dicas para otimizar os processos da sua clínica médica

A rotina de atividades de uma clínica médica é composta de uma grande variedade de demandas que, para serem cumpridas da melhor forma, necessitam de uma boa gestão. Decisões que visam otimizar os processos precisam estar integradas ao bem-estar interno e externo, para garantir um diferencial competitivo e, ao mesmo tempo, permanecer no mercado.

Para lhe ajudar nesta tarefa, selecionamos 5 dicas que você precisa adotar na sua clínica. Confira!

1. Digitalize os documentos

Devido às atividades arcaicas de impressão e arquivamento de documentos, leva-se muito tempo para procurar e arranjar registros médicos, sem falar do perigo de perder e estragar papéis importantes, sejam administrativos ou de pacientes.

Com a consolidação da tecnologia digital, através da digitalização de documentos é possível organizar, localizar e arquivar com rapidez e facilidade todos os prontuários médicos de cada paciente. Ao fazer isso, todas as suas informações ficarão seguras. Além disso, como os dados ficam compilados em uma base de dados única, as chances de erros ou fraudes são praticamente eliminadas.

2. Automatize o agendamento de consultas

Implemente um software para otimizar o processo de marcação de consultas da sua clinica. Por meio de um sistema desse tipo é possível checar a disponibilidade de horários e fazer o agendamento de pacientes. O mesmo também serve para remarcar e cancelar consultas previamente agendadas.

Além disso, alguns programas oferecem funcionalidades como a opção de envio de lembretes, que, por exemplo, pode ser feita com o envio de SMS na véspera da data marcada.

3. Otimize o controle de estoque

O controle de estoque também é um fator muito relevante para o gerenciamento da sua clínica, e esse é mais um processo que pode ser informatizado. Com isso, você conseguirá realizar uma atividade muito mais competente, indo além de somente controlar a entrada e saída de produtos e equipamentos, mas podendo cumprir outras tarefas, como:

  • fazer compras conforme a demanda;
  • controlar com mais precisão os itens que têm pouco tempo de validade;
  • evitar o desperdício de material;
  • analisar quais são os produtos mais — e menos — consumidos.

Todos esses fatores resultam em economia para sua clínica!

4. Envolva toda a equipe

Conte com o auxílio de toda a equipe para encontrar quaisquer erros, procedimentos inúteis e movimentações desnecessárias. É fundamental garantir que não haja um desperdício de criatividade de seus colaboradores no momento de elaborar estratégias que objetivam qualidade e produtividade, já que são eles que estão em contato direto com os processos da clínica.

Você precisa tornar essa etapa uma atividade estimulante e prazerosa para todos. Isso sem contar que, ao engajá-los nessas decisões, eles passam a valorizar mais as suas funções, o que reflete no cumprimento de metas e na melhoria dos atendimentos.

5. Contrate uma empresa especializada em contabilidade

Contabilidade é um processo minucioso e que merece total atenção, pois existem questões bastante complexas, ainda mais para quem é leigo no assunto. São muitas particularidades documentais impostas pela legislação que um estabelecimento deve seguir, portanto, contratar quem é especializado nisso pode simplificar os processos.

Os serviços contábeis para clínicas médicas cobrem desde a abertura do negócio até o enquadramento no regime tributário mais adequado, emissão de guias, relatórios, balanços, folha de pagamento, fluxo de caixa, imposto de renda, certidões, previsão orçamentária, etc.

Sem contar que, o serviço de contábil também pode mapear a empresa a fim de identificar a necessidade de troca de regime tributário, com o intuito de encontrar a modalidade que mais se adapta ao negócio para reduzir custos com impostos.

Com um apoio desse tipo, você terá uma assessoria completa que visa administrar o negócio com eficiência, sem surpresas desagradáveis, como erros de cálculo ou multas. Afinal de contas, é do conhecimento geral que as atividades que envolvem a legislação e o fisco não toleram erros.

Esperamos que as dicas expostas neste post possam lhe ajudar a otimizar os processos da sua clínica. Basta colocá-las em prática o quanto antes para garantir seu bom funcionamento e, de quebra, fidelizar mais pacientes!

Além disso, outro ponto fundamental para o crescimento saudável do seu empreendimento é organizar e estruturar uma gestão financeira! Nesse sentido, a Executa Contabilidade disponibiliza gratuitamente o Ebook específico sobre esse assunto! Basta clicar no banner abaixo para receber!

E então, gostou do conteúdo? Aproveite a oportunidade e curta nossa página no Facebook. Até a próxima!

e-book clínicas médicas

Entenda a importância da contabilidade para clínicas médicas

Ter a assessoria de um escritório de contabilidade para clínicas médicas é essencial, afinal, além de se preocupar com o bom atendimento aos pacientes e com os resultados dos tratamentos oferecidos, é essencial manter a parte financeira em dia.

Como são muitos documentos e a burocracia é enorme, a execução das tarefas contábeis demanda tempo e energia. Isso sem contar as várias particularidades a serem observadas, o que faz com que o conhecimento técnico seja imprescindível.

Então, caso você ainda não tenha um profissional do ramo prestando um serviço para a sua clínica, leia este texto com atenção e veja por que ele fará a diferença:

Processo de constituição da empresa

Na hora de estruturar a empresa e começar o negócio de uma vez por todas, você terá que decidir qual tipo de sociedade vai constituir e quais serão os seus sócios.

Essa decisão é muito importante porque ela vai interferir diretamente na forma de pagar os impostos e de cumprir com as obrigações tributárias acessórias.

Por ser assim, contar com o apoio de um profissional qualificado fará toda a diferença. Ele poderá auxiliar na decisão e elaborar relatórios com informações relevantes para que vocês analisem juntos o que será mais benéfico.

Boa gestão financeira

A gestão das finanças das empresas é um ponto que merece cuidado e atenção.

Para organizar as planilhas, controlar a entrada e saída dos valores, definir os gastos, estabelecer metas e analisar a lucratividade do negócio você terá que dedicar muito tempo do seu dia a dia e precisará de conhecimento técnico específico.

Ao delegar essas tarefas a um profissional competente, com certeza as chances de acerto serão maiores e você evitará problemas internos — e também aqueles relacionados à fiscalização.

Cumprimento das leis vigentes

Como você já deve saber, para administrar uma empresa é preciso ter atenção à legislação fiscal, à legislação trabalhista e às normas que regem a atividade.

Como são muitas obrigações e o descumprimento gera penalidades graves e multas que podem prejudicar o desenvolvimento do negócio, contar com a assessoria especializada te dará mais segurança e mais tranquilidade.

Os profissionais da contabilidade precisam conhecer as leis e estão sempre atualizados das mudanças e das inovações. Com isso, você poderá reduzir o risco de enfrentar processos administrativos ou responder ações judiciais.

Organização

Esse é outro fator que merece destaque! Para gerenciar uma clínica médica você vai precisar manter os documentos organizados e ter um controle eficaz sobre a emissão de guias, de folhas de pagamento, de relatórios e certidões trabalhistas e muito mais. Isso sem falar na necessidade de manter tudo controlado para não deixar nada de lado no momento da declaração do imposto de renda.

Se você tiver um contador ao seu lado, essa parte de organização e de arquivo será delegada e você terá uma coisa a menos para se preocupar.

Além do tempo, que ficará mais livre para as ações estratégicas, isso trará segurança para o seu trabalho e confiabilidade perante terceiros, que perceberão que a clínica é organizada e comprometida com as suas obrigações.

Com certeza uma contabilidade para clínicas médicas contribui, e muito, para o sucesso do negócio. É um investimento que faz toda a diferença!

Para além disso, o controle organizado da questão financeira do empreendimento também é fundamental para o seu crescimento saudável. Por esse motivo, a Executa Contabilidade disponibiliza gratuitamente o Ebook “Gestão financeira para clínicas médicas“. Basta clicar no Banner abaixo para receber! 

e-book clínicas médicas